DIREITO AO ESQUECIMENTO E (ALGUNS) REFLEXOS NO DIREITO PENAL

  • Isabela Maria STOCO FAE
  • Marion BACH
Palavras-chave: Direito Penal; Direito ao Esquecimento; Antecedentes Criminais; Circunstâncias Judiciais.

Resumo

Conforme se observa do contido na legislação penal pátria, atualmente o julgador utiliza como parâmetro para aplicação da pena o denominado sistema trifásico. Na primeira fase de individualização da pena o magistrado deverá analisar as características elencadas no artigo 59 do Código Penal. Dentre as circunstâncias estabelecidas em lei, denota-se a análise dos antecedentes – conceito que gera importantes discussões doutrinárias. Isto porque, ao contrário do que se verifica para a agravante da reincidência (art. 61, I, Código Penal), cujo lapso temporal é de 05 (cinco) anos, a lei não fixa prazo para utilização dos (maus) antecedentes como causa de incremento na pena-base. Se tal constatação se faz de um lado, de outro é crescente na doutrina o estudo do denominado “Direito ao Esquecimento”, que possui suas origens arraigadas no Direito Civil, mas que toca sensivelmente inúmeros aspectos do Direito Penal. Nesse sentido – e para o que importa para este trabalho – busca-se, através de análise legislativa, doutrinária e jurisprudencial, identificar a aplicabilidade do referido instituto no Direito Penal, em especial no que diz respeito à sua utilização para a reabilitação do apenado, de modo que os (maus) antecedentes não tenham efeitos perpétuos.

Referências

ABÍLIO, Adriana Galvão Moura. MENDONÇA, Christopher. O Brasil está preparado para o Direito ao Esquecimento? Revista de Direito Constitucional e Internacional, vol. 105/2018, p. 77 – 95, Jan – Fev.

BARROSO, Luís Roberto. Temas de Direito Constitucional, tomo III. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2005.

BITENCOURT, César Roberto. Tratado de Direito Penal Vol. 1 - Parte Geral, 23ª edição. São Paulo: Editora Saraiva, 2017.

BUCAR, Daniel. Controle temporal de dados: o direito ao esquecimento. Civilistica.com. ano 2. n. 3. Rio de Janeiro, jul.-set. 2013. Disponível em: [http://civilistica.com/wp-content/uploads/2015/02/Bucar-civilistica.com-a.2.n.3.2013.pdf]. Acesso em: 02.12.2018.

BUSATO, Paulo César. Direito Penal - Vol. 1 - Parte geral, 3ª edição. São Paulo: Atlas, 2017, p. 841.

CARVALHO, Amilton Bueno; DE CARVALHO, Salo. Aplicação da pena e garantismo, 2ª edição. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2002.

COSTA JÚNIOR, Paulo José. O direito de estar só: tutela penal da intimidade, 4ª edição. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007, p. 24.

COSTA, José Augusto Fontoura; MINIUCI, Geraldo. Não adianta nem tentar esquecer: um estudo sobre o direito ao esquecimento. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 7, nº 3, 2017 p. 411-435.

CUNHA, Rogério Sanches. Manual de Direito Penal, 3º edição. São Paulo: Editora Juspodivm, 2014, p. 404.

DE TEFFÉ, Chiara Spadaccini; BARLETTA, Fabiana Rodrigues. O DIREITO AO ESQUECIMENTO: UMA EXPRESSÃO POSSÍVEL DO DIREITO À PRIVACIDADE. Revista de Direito do Consumidor: RDC, São Paulo, v. 25, n. 105, p. 33-64, maio/jun. 2016.

DOS SANTOS, Juarez Cirino. Direito Penal – parte geral, 3º edição. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2008, p. 52.

DOTTI, René Ariel. Proteção da vida privada e liberdade de informação. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1980.

GALVÃO, Fernando. Direito Penal, Parte geral – 5ª edição. São Paulo: Saraiva, 2012.

MAYER-SCHÖNBERGER, Viktor. Delete: the virtue of forgetting in the digital age. Nova Jérsei: Princenton, 2009, 253 p. Resenha de: ACIOLI, Bruno de Lima. Revista Fórum de Direito Civil – RFDC, Belo Horizonte, ano 6, n. 15, p. 251-260, maio/ago. 2017.

MAZZUOLI, Valério de Oliveira. Direitos comunicativos como direitos humanos: abrangência, limites, acesso à internet e direito ao esquecimento. Revista dos Tribunais: RT, São Paulo, v. 104, n. 960, p. 249-267, out. 2015.

Memória Globo: Chacina na Candelária. Disponível em: < http://memoriaglobo.globo.com/programas/jornalismo/coberturas/chacina-na-candelaria/jornal-nacional-sobre-a-chacina.htm>. Acesso em 01 de dez. de 2018.

MENDES, Gilmar Ferreira. Série IDP - Curso de direito constitucional, 12ª edição. São Paulo: Editora Saraiva, 2017.

MOREIRA, Rodrigo Pereira; MEDEIROS, Jaquelaine Souza. Direito ao esquecimento: entre a sociedade da informação e a civilização do espetáculo. Revista de Direito Privado: RDPriv, São Paulo, v. 17, n. 70, p. 71-98, out. 2016.

NELSON, Rocco Antonio Rangel Rosso. Análise Quanto ao Instituto da Reincidência no Sistema Jurídico Penal Brasileiro. Revista Magister de Direito Penal e Processual Penal, Porto Alegre, v. 14, n. 82, p. 88-95, fev./mar. 2018.

NUCCI, Guilherme de Souza. Individualização da pena, 6º edição. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2014.

NUNES JR, Flávio Martins Alves. Curso de Direito Constitucional, 3ª edição. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2018.

PASSOS, Ana Beatriz Guimarães; SILVA, Roberto Baptista dias da. Entre lembrança e olvido: uma análise das decisões do STJ sobre o direito ao esquecimento. Revista Jurídica da Presidência, Brasília, v. 16, n. 109 Jun./Set. 2014, p. 397-420.

PÊCEGO, Antonio José F. de S; SILVEIRA, Sebastião Sérgio da. ANTECEDENTES E REINCIDÊNCIA CRIMINAIS: NECESSIDADE DE RELEITURA DOS INSTITUTOS DIANTE DOS NOVOS PARADIGMAS DO DIREITO PENAL. Revista Justiça e Sistema Criminal, Curitiba, v. 5, n. 9, p. 183-198, jul./dez. 2013.

PECK, Patricia. Direito Digital, 6º edição. São Paulo: Saraiva Educação, 2016, p. 173.

QUEIROZ, Paulo. Direito Penal – Parte Geral, 4º edição. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2008.

SCHREIBER, Anderson. Direitos da Personalidade: Revista e Atualizada, 3ª edição. Atlas, 2014.

SILVA, Gabriela de Barros. Como o caso Escola Base enterrou socialmente os envolvidos. Disponível em: . Acesso em 01 de dez. de 2018.

TERRA, Lilian Sousa; ALVARENGA, Altair Resende. Os maus antecedentes são perpétuos? Revista Curso Direito UNIFOR, Formiga, v. 6, n. 2, p. 155-178, jul./dez. 2015.

TRIGUEIRO, Fábio Vinícius Maia. DIREITO AO ESQUECIMENTO: DIMENSÃO DA INTIMIDADE E IDENTIDADE PESSOAL. Revista de Direito Constitucional e Internacional: RDCI, São Paulo, v. 24, n. 98, p. 83-107, nov./dez. 2016.

TRIGUEIRO, Fábio Vinícius Maia. Direito ao Esquecimento: dimensão da intimidade e identidade pessoal. Revista de Direito Constitucional e Internacional: RDCI, São Paulo, v. 24, n. 98, p. 83-107, nov./dez. 2016.

WARREN, Samuel D. BRANDEIS, Louis D. The Right to Privacy. Harvard Law Review, Massachusetts, vol. IV, nº 05, dezembro/1890.
Publicado
09-06-2020
Como Citar
STOCO, I., & BACH, M. (2020). DIREITO AO ESQUECIMENTO E (ALGUNS) REFLEXOS NO DIREITO PENAL. Revista De Direito Da FAE, 2(1), 261 - 290. Recuperado de https://revistadedireito.fae.edu/direito/article/view/45