O COMBATE AO PÓDIUM PLURAL

ANÁLISE DE PROJETOS DE LEI QUE VEDAM A PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO T EM COMPETIÇÕES ESPORTIVAS PELAS LENTES DO DIREITO ANTIDISCRIMINATÓRIO

  • Carina Lamas RONCATO FAE
  • Daniele Cristine MILANI
  • Roberto Tokugi TERAJIMA JUNIOR
  • Julia Heliodoro Souza GITIRANA
Palavras-chave: Direito ao desporto. Direito antidiscriminatório. População T. Pluralidade. Projetos de lei. Discriminação.

Resumo

RESUMO

Considerando que, apesar de expressa a garantia constitucional de igualdade, no art. 5º, I e XXVIII da CF/88, o qual assegura a todos e todas a livre participação em atividades desportivas, a inclusão dos atletas transgêneros nas categorias esportivas de gênero com as quais se identificam ainda é uma questão controversa em razão do conflito entre princípios do Direito. Diante desse quadro, o presente trabalho visa analisar a constitucionalidade dos Projetos de Lei (PL) que determinam o sexo biológico como único determinante das categorias esportivas de alto rendimento, à luz do direito antidiscriminatório. Para tanto, procede-se à metodologia de pesquisa empírica, voltada à análise de PL, no âmbito federal e estadual, no período de 2019 a 2022, que vedam a participação da população T em competições esportivas de alta performance, realizada por meio de pesquisas nos sites específicos da Câmara de Deputados e Assembleias Legislativas Estaduais de todas as unidades da federação. Desse modo, observa-se que prepondera entre os autores um discurso cientificista respaldado em uma suposta vantagem biofisiológica dos indivíduos transgêneros nos esportes. Porém, tal argumentação carece de comprovação científica, o que permite concluir que pode haver um viés preconceituoso nas propostas elaboradas por esses autores por influências religiosas e ainda, por correntes políticas conservadoras, que defendem o binarismo nas relações de gênero, além de ser incompatível com os princípios constitucionais da dignidade da pessoa humana e da vedação ao retrocesso social, coadunados com o direito antidiscriminatório.

 

 

 

Referências

ADELMAN, Mirian. Mulheres atletas: ressignificações da corporalidade feminina. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, vol. 11, n. 2, dez. 2003. Disponível em: . Acesso em: 09/10/2022.

BARCELLOS, Ana Paula. Curso de Direito Constitucional. Rio de Janeiro: Forense, 3ª ed., 2020, p.362. [livro eletrônico]

BRASIL. Lei 9.615 de 24 de março de 1998. Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências. Brasília/DF, 24 de março de 1998.
Disponível em: . Acesso em: 04 dez 2022.

BRASIL. Assembleia Legislativa do Estado da Paraíba. Projeto de Lei nº 1555, de 13 de maio de 2021. Estabelece o sexo biológico ou a comprovação de registro civil como critérios para a definição do gênero de competidores em competições esportivas organizadas na Paraíba. Paraíba, Assembleia Legislativa, 2021 a. Disponível em: . Acesso em: 29 mar 2022.

BRASIL. Assembleia Legislativa do Estado de Goiás. Projeto de Lei nº 598, de 28 de setembro de 2021. Dispõe sobre a proibição da participação de atleta identificado como "transexual" em equipes e times esportivos e em competições, eventos e disputas de modalidades esportivas realizadas no Estado de Goiás, na forma que menciona. Goiás, Assembleia Legislativa, 2021 b. Disponível em: . Acesso em: 29 mar 2022.

BRASIL. Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina. Projeto de Lei nº 0226.2, de 10 de julho de 2019. Estabelece o sexo biológico como o único critério para definição do gênero de competidores em partidas esportivas oficiais no Estado de Santa Catarina. Santa Catarina, Assembleia Legislativa, 2019 a. Disponível em: . Acesso em: 29 mar 2022.

BRASIL. Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Projeto de Lei nº 346, de 2 de abril de 2019. Estabelece o sexo biológico como o único critério para definição do gênero de competidores em partidas esportivas oficiais no Estado. São Paulo, Assembleia Legislativa, 2019 b. Disponível em: . Acesso em: 29 mar 2022.

BRASIL. Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas. Projeto de Lei nº 203, de 9 de abril de 2019. Estabelece o sexo biológico como o único critério para definição do gênero de competidores em partidas esportivas oficiais. Amazonas, Assembleia Legislativa, 2019 c. Disponível em: . Acesso em: 29 mar 2022.

BRASIL. Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Projeto de Lei nº 331, de 3 de abril de 2019. Estabelece o sexo biológico como o único critério para definição do gênero de competidores em partidas esportivas oficiais no Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Assembleia Legislativa, 2019 d. Disponível em: . Acesso em: 29 mar 2022.

BRASIL. Associação Nacional de Travestir e Transsexuais (ANTRA). Dossiê dos Assassinatos e da Violência contra pessoas TRANS em 2020. Disponível em: . Acesso em: 20/05/2022

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 1670, de 3 de maio de 2021. Cria a "Lei da Justa Competição no Esporte", estabelecendo o sexo biológico como critério exclusivo para definição de gênero em competições esportivas oficiais, amadoras ou profissionais, em todo território nacional, e dá outras providências. Brasília, Câmara dos Deputados, 2021 c. Disponível em: . Acesso em: 29 mar 2022.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 1728, de 6 de maio de 2021. Esta lei determina que o sexo biológico será o único critério definidor do gênero dos competidores em partidas esportivas oficiais em todo território nacional. Brasília, Câmara dos Deputados, 2021 d. Disponível em: . Acesso em: 29 mar 2022.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 2139, de 10 de junho de 2021. Dispõe sobre a garantia e igualdade de condições de competir nas partidas e certames competitivos femininos de todas as categorias e modalidades desportivas. Brasília, Câmara dos Deputados, 2021 e. Disponível em: . Acesso em: 29 mar 2022.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 2200, de 10 de abril de 2019. Dispõe sobre a proibição da participação de atletas transexuais do sexo masculino (HOMENS TRAVESTIDOS OU FANTASIADOS DE MULHER) em competições do sexo feminino em todo o Território Nacional. Brasília, Câmara dos Deputados, 2019 e. Disponível em: . Acesso em: 29 mar 2022.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 2596, de 30 de abril de 2019. Estabelece o sexo biológico como único critério para definição do gênero em competições esportivas oficiais no território brasileiro. Brasília, Câmara dos Deputados, 2019 f. Disponível em: . Acesso em: 29 mar 2022.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 2639, de 7 de maio de 2019. Estabelece o sexo biológico como critério exclusivo para a definição do gênero em competições esportivas oficiais no Brasil. Brasília, Câmara dos Deputados, 2019 g. Disponível em: . Acesso em: 29 mar 2022.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 3396, de 18 de junho de 2020. Estabelece o sexo biológico como o único critério para definir o gênero dos atletas em competições organizadas pelas entidades de administração do desporto no Brasil. Brasília, Câmara dos Deputados, 2020. Disponível em: . Acesso em: 29 mar 2022.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 3769, de 27 de outubro de 2021. Dispõe sobre a proibição da participação de atleta identificado como "transexual" em eventos esportivos disputados em território nacional. Brasília, Câmara dos Deputados, 2021 f. Disponível em: . Acesso em: 29 mar 2022.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 05 de outubro de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, 05 de outubro de 1988. Disponível em: . Acesso em: 13 set 2022.


BRASIL. Decreto-Lei 3199, 14 de abril de 1941. Estabelece as bases de organização dos desportos em todo o país. Rio de Janeiro, 14 de abril de 1941. Disponível em: . Acesso em: 13 set 2022.

BRASIL. Deliberação nº 7 do Conselho Nacional de Desportos de 7 de agosto de 1965. Diário Oficial da União, 02 de setembro de 1965. Disponível em: . Acesso em: 13 set 2022.

CAMARGO, Eric Seger de. “Pessoas Trans no esporte”: os jogos da cisnormatividade. 2020. 155f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2020. Disponível em: <“Pessoas trans no esporte”: os jogos da cisnormatividade (ufrgs.br)>. Acesso em: 10 mai 2022.

CARTA CAPITAL. A luta pela inclusão de todas as mulheres no esporte. 20 de agosto de 2019. Disponível em: . Acesso em: 13 set 2022.

FERREIRA, Camila Camargo. A “ideologia de gênero” como uma prática discursiva tagarela de silenciamento: uma análise genealógica do projeto de lei Escola Sem Partido. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Universidade Federal da Grande Dourados, 2018. Disponível em: . Acesso em: 21 ago 2022.

GONZALES, Lélia. Racismo e Sexismo na Cultura Brasileira . Disponível em: .

HARPER, Joanna. Race Times for Transgender Athletes. Journal of Sporting Cultures and Identities, Champaign, v.6, issue, 1, p 1-9, 2015. (citado por PRADO, Vagner Matias do; NOGUEIRA, Alessandra Lo Gullo A. Transexualidade e esporte: o caso Tiffany Abreu em “jogo”. Revista Eletrônica Interações Sociais, 17 ago 2018, p.67. Disponível em: . Acesso em: 10 mai 2022.)

IOC Consensus Meeting on Sex Reassignment and Hyperandrogenism. Novembro 2015. Disponível em: <2015-11_ioc_consensus_meeting_on_sex_reassignment_and_hyperandrogenism-en.pdf (olympic.org)>. Acesso em: 04 abr 2022.

IOC Framework on Fairness, Inclusion and Non-Discrimination on the Basis of Gender Identity and Sex Variations. Novembro 2021. Disponível em: . Acesso em: 04 dez 2022.

LACERDA, Marina Basso. O novo conservadorismo brasileiro. Editora Zouk, Porto Alegre, 1ª ed., 2019.

MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. São Paulo: Atlas, 38ª ed., 2022. [livro eletrônico].

MORAES, A. D. Direitos Humanos Fundamentais. Grupo GEN, 2021. 9788597026825. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788597026825/. Acesso em: 18 Sep 2022

MOREIRA, Adilson José. Direitos fundamentais como estratégias anti hegemônicas: um estudo sobre a multidimensionalidade de opressões. Quaestio Iuris, Rio de Janeiro, vol.9, n.3, 2016, p. 1559-1599.

MOREIRA, Adilson José. Tratado de Direito Antidiscriminatório. São Paulo: Editora Contracorrente, 2020.

NASCIMENTO, Letícia Carolina. Femininos Plurais - Transfeminismo. Editora Jandaíra, São Paulo, vol.1, 2021, p. 58.

PRADO, Vagner Matias do; NOGUEIRA, Alessandra Lo Gullo A. Transexualidade e esporte: o caso Tiffany Abreu em “jogo”. Revista Eletrônica Interações Sociais, 17 ago 2018, p.63. Disponível em: . Acesso em: 10 mai 2022.

RECORD. Hipismo - o que é, regras, modalidades e história do esporte. Escola Educação, Goiânia, 2019. Disponível em: . Acesso em: 12 set 2022.

SARLET, I.W.; MARINONI, L.G.; MITIDIERO, D. Curso de direito constitucional. Editora Saraiva, 2022. 9786553620490. [livro eletrônico].

UOL. Alerj: eleito que destruiu placa de Marielle quer PSL em Direitos Humanos. Outubro, 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 mai 2022.

UOL. Futebol feminino foi proibido no Brasil há 80 anos por decreto de Getúlio Vargas. History Channel Brasil, 14 de abril de 2021. Disponível em: . Acesso em: 13 set 2022.
Publicado
29-12-2022
Como Citar
RONCATO, C., MILANI, D., Tokugi TERAJIMA JUNIOR, R., & Heliodoro Souza GITIRANA, J. (2022). O COMBATE AO PÓDIUM PLURAL. Revista De Direito Da FAE, 6(2), 99 - 134. Recuperado de https://revistadedireito.fae.edu/direito/article/view/134