DESTITUIÇÃO DO PODER FAMILIAR E MATERNIDADE SOCIOAFETIVA

  • Aline PAYONKI UniSecal
  • Sayonara SAUKOSKI
  • Graciela Cristina Freitas SIMON SOLA
Palavras-chave: Destituição do Poder Familiar. Direito Personalíssimo. Família Socioafetiva. Maternidade.

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar a relevância da maternidade dentro da filiação socioafetiva e discutir os reflexos do seu reconhecimento no sistema jurídico brasileiro na perspectiva do filho. Devido às mudanças realizadas na sociedade com o passar do tempo, o direito de família demonstrou valor aos laços afetivos existentes entre pais e filhos, começou a reconhecer uma nova modalidade de filiação, a socioafetiva, sendo essa pautada na convivência familiar, na solidariedade, no amor entre pais e filhos, sem que exista necessariamente vínculo biológico ou jurídico entre eles, apresentando-se em diversas situações como nas famílias homoafetivas, anaparental, recombinadas e dentre outras formas. A partir do provimento 63 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) de 14 de novembro de 2017, oportuniza-se o reconhecimento do filho socioafetivo diretamente em Cartório, ou seja, independentemente de sentença judicial, representando grande avanço para pais e filhos socioafetivos. Desta forma, o reconhecimento da filiação socioafetiva gera efeitos pessoais e efeitos que vão além da relação entre pais e filhos, como no caso do reconhecimento aos direitos da personalidade, convivência familiar baseada no afeto e outros. A criação da Lei n°11.924/2009 autorizou o acréscimo do nome da família do padrasto ou madrasta no registro de nascimento do enteado ou a enteada se ocorrer concordância das partes, sendo esse um reflexo que a filiação socioafetiva ocasionou na legislação. Com o reconhecimento formal desse tipo de filiação formada sem vínculo biológico, com base em laços sentimentais de amor e afeto existente na prática, surge a necessidade urgente de tutela jurídica sobre os direitos e deveres aplicáveis a essa relação interpessoal. Concluiu-se que a doutrina jurídica tem reconhecido as novas configurações de família com base nas relações socioafetivas, sendo base para decisões referente ao direito nesse âmbito, se pautando em princípios constitucionais como igualdade, dignidade da pessoa humana e direito a personalidade.

Palavras-chave: Destituição do Poder Familiar. Direito Personalíssimo. Família Socioafetiva. Maternidade.

 

Referências

AMARAL, Francisco. Direito Constitucional: a eficácia do código civil brasileiro após a constituição federal de 1988. In: Pereira, Rodrigo Da Cunha (Coord.). Repensando o direito de família. I Congresso Brasileiro De Direito De Família. Belo Horizonte. Anais. Belo Horizonte: IBDFAM, Minas Gerais, 1999.

RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Apelação Cível Nº 70062692876, Oitava Câmara Cível, Relator: José Pedro De Oliveira Eckert, Julgado Em 12/02/2015.

BRASIL. Constituição Da República Federativa Do Brasil, 1988. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei Nº 4.121, De 27 De Agosto De 1962. Dispõe Sobre A Situação Jurídica Da Mulher Casada. Brasília, Agosto 1962.

BRASIL. Lei nº 11.924, de 17 de abril de 2009 que altera o art. 57 da Lei n° 6.015, de 31 de dezembro de 1973, para autorizar o enteado ou a enteada a adotar o nome da família do padrasto ou da madrasta. Brasília, 17 de abril de 2009.

BRASIL. Lei Nº 8.069, De 13 De Julho De 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, 1990.

BRUNO, Denise Duarte. Posse de estado de filho. In: PEREIRA, Rodrigo da Cunha (Coorde.). Família e cidadania. O novo CCB e a vacatio legis. Anais do III Congresso Brasileiro de Direito de Família. Belo Horizonte: IBDFAM/Del Rey, 2002. p. 461-472.

CARBONERA, Silvana Maria. O papel jurídico do afeto nas relações de família. In: FACHIN, Luiz Edson (Coord.). Repensando fundamentos do direito civil brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, 1998. p. 273-313.

BITTAR, Carlos Alberto. Os direitos da personalidade. 7 ed. Rio De Janeiro: Forense Universitária, 2008.

CARBONERA, Silvana Maria; SILVA, Marcos Alves da. Os filhos da democracia. In: CONRADO, Marcelo; PINHEIRO, Rosalice Fidalgo (Coords.). Direito privado e Constituição. Ensaios para uma recomposição valorativa da pessoa e do patrimônio. Curitiba: Juruá, 2009.

CARVALHO, Carmela Salsamendi de. Filiação socioafetiva e "conflitos" de paternidade ou maternidade. Curitiba: Juruá, 2012.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Corregedoria. Provimento Nº 63 de 14/11/2017. Disponível em: . Acesso em: 25 maio. de 2020.

DIAS, Maria Berenice. Filhos do afeto. São Paulo: Editora Revista Dos Tribunais, 2016.

_____. Manual de direitos das famílias. 4. ed. São Paulo: RT, 2007.

DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro, V. 5: direito de família. 29. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

FACHIN, Luiz Edson. Da paternidade: relação biológica e afetiva. Belo Horizonte: Del Rey, 1996.

GOGLIANO, Daisy. Autonomia, bioética e direitos da personalidade. Revista De Direito Sanitário, São Paulo, v.1, n.1, p.107-127, Nov, 2000.

HINTZ, H. C. Novos Tempos, novas famílias? Da modernidade a pós-modernidade. Revista Pensando Famílias, Porto Alegre, n. 3, 2001.

LÔBO, Paulo. Direito civil: famílias. São Paulo: Saraiva, 2008.

PEREIRA, Rodrigo Da Cunha. Parentalidade socioafetiva: o ato que se torna relação jurídica. Revista Ibdfam: Família E Sucessões, V.9. Belo Horizonte: Ibdfam, 2015.

TEPEDINO, Gustavo. A disciplina civil constitucional das relações familiares. In: Barreto, Vicente (org.). A nova família: problemas e perspectivas. Rio De Janeiro: Renovar, 1997.

VENOSA, Sílvio De Salvo. Direito civil I: parte geral. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

WELTER, Pedro Belmiro. Igualdade entre filiação biológica e socioafetiva. São Paulo: Editora Revista Dos Tribunais, 2003.
Publicado
24-06-2021
Como Citar
PAYONKI, A., SAUKOSKI, S., & SIMON SOLA, G. C. (2021). DESTITUIÇÃO DO PODER FAMILIAR E MATERNIDADE SOCIOAFETIVA. Revista De Direito Da FAE, 3(1), 33 - 66. Recuperado de https://revistadedireito.fae.edu/direito/article/view/73